5.7.11

A GRANDE FESTA

O país está em crise! O mundo está em crise! Muitas nações poderão entrar em incumprimento no âmbito dos pagamentos da sua divida externa, mas o povo de Tomar cumpre mais uma vez a tradição. Ou seja, mesmo com enormes as dificuldades, pelo empenho que se tem visto por aqui não entraremos em incumprimento. A Festa dos Tabuleiros está aí, e é com esta que o povo de Tomar tem um compromisso secular. Para os tomarenses esta é a verdadeira Festa e diga-se em abono da verdade que assim é, mesmo se entendida do ponto de vista sociológico.


Já começou no passado fim-de-semana com o funcionamento dos arraiais e as muitas barracas de "comes e bebes" espalhadas pela cidade que condicionam a mobilidade das pessoas, mas sobretudo o estacionamento dos veículos. Mas já se sabe que é assim, pelo que não há que contestar, pois para vantagens de uns há sempre desvantagens de outros. E os tomarenses apesar de alguns inconvenientes fazem quase tudo pela sua festa e até algumas relações mais conflituosas são colocadas para trás das costas.


A primeira grande manifestação ocorreu no passado domingo com o "Cortejo dos Rapazes" e foi ver um mar de gente pelas ruas, mães, pais, avós, tios ou primos, orgulhosos dos seus pequenitos no desfile pelas artérias da cidade. Para quem não sabe o Cortejo dos Rapazes, é a Festa dos Tabuleiros em miniatura, isto é protagonizada pelas crianças dos jardins-escolas e escolas do 1º Ciclo (antigamente designadas por primárias). A cor, a alegria e a devoção já se descortinavam nas caritas inocentes da "pequenada".


Mais uma vez assisti com grande emoção e orgulho ao desfile dos "pequenos" vestidos a rigor com os seus cestinhos enfeitados ou os Tabuleiros miniaturas. Este ano tive uma convidada, uma amiga muito especial e acho que ela também gostou do que viu. Ela pode não ter gostado muito da companhia, porque além de não conseguir estar calado durante muito tempo, depois fi-la caminhar imenso pelas ruas para lhe mostrar alguns lugares de interesse e fazer uma visitinha à exposição do Lego. Porém, eu fiquei muita agradado e agradecido com a companhia e embora seja um "chato" acho que dei o meu contributo para desanuviar o seu mau estado psicológico resultante dos seus recentes infortúnios.

2 comentários:

António Branco disse...

há anos que ando para ir. mas cansa-me pensar que depois tenho de me perder no meio do magote de empurrões... um dia...

Lu! disse...

Gostei muito :) Mais uma vez o meu obrigado pelo agradavel Domingo :)