28.4.10

REVER AMIGOS

Na vida que se leva, sempre atarefada, sempre com actividades, a correr desenfreadamente para um lado e para o outro, por vezes torna-se difícil conciliar isso com uns momentos de lazer com os amigos. No entanto sempre há o telefone ou telemóvel para trocar duas ou três palavras, e foi o que fiz a semana passada, o que diga-se de passagem não é a mesma coisa. Telefonei na sexta-feira a um amigo que muito prezo e combinamos ir hoje beber uma imperial ao fim do dia de trabalho (para mim, ele já é reformado). É sempre bom rever os amigos!
Assim foi e em vez de uma, bebemos três imperiais cada um por causa dessa coisa do agora paga um e depois paga outro. Foi um momento agradável e não fosse o caso de ambos gostarmos de futebol e estarmos desejosos para ver o Barcelona-Inter, certamente teríamos continuado a beber e falar até mais tarde. Mesmo assim ainda estivemos das 6 até ás 7,30 na esplanada do Santa Iria a trocar opiniões. Não sei se há muitas pessoas assim, mas somos mesmo muito amigos e temos um enorme respeito mútuo, ainda que cada um tenha simpatia por um clube e o outro pelo seu rival, bem como um defende uma certa ideologia política e o outro quase o seu inverso.
Reconheço nesse amigo uma pessoa formidável, se bem que tenha um feitio muito especial, e eu que também tenho um feitio complicado sou para ele quase como um filho, não por algo material que alguma vez me tivesse dado, mas pela sua compreensão, apoio e constante incentivo. Só um dia nos íamos desentendendo, quando depois de acabar a licenciatura teimou em chamar-me doutor algumas vezes. Ao princípio disse-lhe que dispensava aquele tratamento, mas como teimava, disse-lhe que lhe deixava de falar e a nossa amizade morria por ali. Então lá voltou a tratar-me pelo meu nome de baptismo.

1 comentário:

Lu! disse...

É tão bom viver esses prazeres da vida.
Uma esplanada... Uma conversa... Um amigo...
É formidável passarem anos e a amizade e essencialmente o respeito estarem sempre presentes!
Gostei do texto =)