5.5.10

MOMENTO POÉTICO

Como por vezes é preciso desanuviar e recordar as coisas belas da vida, como a arte, hoje volto a deixar aqui um dos meus, muitos, poemas. Uma glosa (ou mote) desdobrada em sextilhas e que tem como título, Serpente. É apenas mais um momento poético
-----
SERPENTE
*
Na ínvia ponta dos teus dedos
brincas com minhas sensações
para me roubares os segredos
que guardo nas minhas ilusões
-
Olhas-me voraz, sofrendo
um desejo de doce traição
escondido em teus medos.
Deixas um paladar perdendo
sabores tentadores de paixão
na ínvia ponta dos teus dedos.
-
Crias sussurros de ansiedade
com o silêncio de movimentos
perdidos em múltiplas tentações.
Escreves sonhos de ingenuidade
e em cada um dos os momentos
brincas com minhas sensações.
-
E os teus cabelos ondulantes
soltam-se á brisa adocicada
enquanto pensas mil enredos.
Nos gestos, tão provocantes,
talvez já te julgues preparada
para me roubares os segredos.
-
Testando meu sentir e pensar,
de naufrago em revoltos mares,
elaboraste todas as provocações.
E adivinhas nesse lânguido olhar,
o valioso tesouro, para roubares,
que guardo nas minhas ilusões!
---
Tomar/2010