9.11.10

MAS QUE POUCA VERGONHA!!!

Não admira a situação a que o país chegou, e nem estou a escrever sobre as recentes notícias dos juros da dívida pública porque isso é para certos analistas, todos eles convencidos que são donos da verdade, mas depois, algum tempo mais tarde, sabe-se que ou estão ao serviço de certa gente, leia-se poderosos interesses económicos, ou estão a vender as ideias que posteriormente lhes trará grandes lucros.
Também não me estou a referir às agências de rating, das quais os nossos bancos se serviram até que lhes interessou e com as quais agora querem romper os respectivos contratos, ou de surgir um movimento em termos internacionais pronto a desacreditar e a desenvolver um processo de aniquilamento das ditas agências!
Nem tão pouco quero expressar-me sobre a conduta imoral e criminosa da União Europeia em todo o processo da crise, impondo medidas de empobrecimento das populações mais fragilizadas no ano que declarou o de ser "Ano Europeu Contra a Exclusão e a Pobreza" numa atitude em total contradição entre o discurso e a prática.
O assunto é outro. O "moralista" negociador do Orçamento de Estado, Eduardo Catroga, que se manifestou tantas vezes quanto às despesas do Estado, esqueceu-se de referir que isso acontece por neste país abundarem os tipos como ele. Acima de qualquer "suspeita" como alguns disseram o digníssimo professor foi contratado para O Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa como professor Catedrático Convidado, por conveniência urgente de serviço, além do quadro daquele instituto, através de um Contrato Administrativo de Provimento, a tempo parcial de 0%. O contrato com efeitos a partir de 1 de Setembro de 2008 foi assinado apenas a 26 de Maio de 2010 e publicado a 2 de Junho.
No meio de tudo isto há uma coisa que me faz confusão, se interpretarmos que "tempo parcial 0%" corresponde a tempo inteiro, qual a razão da referência ao tempo parcial? Se o que se quer dizer é que não tem carga horária como é que se justifica a "conveniência urgente de serviço"? Mas há mais, como pode ser visto na 2ª Série do Diário da República nº 107, de 2 de Junho de 2010, na página 30576, o despacho terá sido proferido a 1 de Setembro de 2008 pelo presidente do Conselho Directivo (o amigo de Catroga, João Duque) por delegação do Reitor da UTL de 25/7/2007. Este tal João Duque é um dos sujeitos que "vergonhosamente" vem aparecendo na comunicação social a defender há algum tempo a redução de salários e a criticar o aumento da despesa!
E falam estas "bestas" do despesismo do Estado... mas que pouca vergonha!

1 comentário:

Antonio Branco disse...

pensei enviar este assunto ao Mário Crespo, para que ele lhe fizesse a pergunta directamente. afinal, o João Duque costuma ser seu convidado no programa Plano Inclinado. mas não encontro o seu email no site da SIC...